“Sopa de Concha” – Grupo Rumo – 2010

“Sopa de Concha” – A idéia

Durante 2006 e 2007, aproveitando uma temporada maior de convívio no Rio de Janeiro, Geraldo Leite pesquisou os arquivos sonoros do IMS – Instituto Moreira Salles, em busca de canções singulares do passado, que não fossem ainda conhecidas hoje. Na coleção do Franceschi e depois, do Tinhorão, foram encontrados registros extraordinários de canções gravadas somente em 78 rotações, basicamente das décadas de 30 e 40, de uma atualidade, linguagem e frescor que valeriam a pena serem colocadas novamente em circulação.

A seleção começou por 80 gravações que foram apuradas até chegar a 15 canções praticamente inéditas que compõe esse novo trabalho. O critério de escolha, além do fato de serem desconhecidas, foi o de identificar aquelas que melhor exploravam a linguagem da canção, numa época especial para a cultura brasileira: o momento mágico do casamento da música popular brasileira, com a efervescência do Rádio.

Selecionado o repertório, Geraldo apresentou o projeto a todos do Rumo e contou com a adesão imediata dos demais integrantes originais do grupo: Ná Ozzetti, Luiz Tatit, Hélio Ziskind, Gal Oppido, Paulo Tatit, Pedro Mourão, Zecarlos Ribeiro e Akira Ueno.

Gravações, arranjos, músicos e instrumentos

Foram realizadas no Estúdio 185, Vila Madalena, São Paulo. Para incrementar e valorizar este encontro especial e a redescoberta de canções desconhecidas do publico de hoje, foi convidado um time de músicos renomados e experientes, que trabalharam sob a direção artística e os arranjos do músico Swami Jr que também participa no Violão 7 cordas e Baixo e ainda divide a base instrumental com Milton Mori (Cavaquinho e Bandolim), Guilherme Kastrup e Douglas Alonso (Percussões).

Como músicos convidados, Mario Manga (Dobro e Violão Tenor), Andre Mehmari (Piano), Toninho Ferragutti (Acordeon), Nailor Proveta (Sax Alto, Sax Soprano e Clarineta), Popó (Tuba), Mané Silveira (Sax Alto), Tiquinho (Trombone), Ubaldo (Sax Tenor), Nahor Gomes (Trumpete), Fábio Tagliaferri (Viola), Toninho Ferraguti (Acordeon), Valdir Ferreira (Trombone de vara) e Júnior Galante (Trumpete).

O repertório do “Sopa de Concha”

Entre os compositores, canções do Ataulfo Alves e Marino Pinto / Nássara e Haroldo Lobo / Assis Valente (sozinho e com Luiz Gonzaga) / Lamartine Babo / Ary Barroso / Hervé Cordovil e Noel Rosa / Cristovão de Alencar / Pedro Caetano (sozinho e com Alcyr Pires Vermelho) / Wilson Batista / Gadé e Valfrido Silva / Ciro de Sousa / Paulo Pinheiro e Valdemar Silva / Cícero Nunes e J. Portella.

A mais antiga é de 1934 e a mais recente, de 1946. Todas as músicas são cantadas pelos integrantes do Rumo.

A idéia foi a de se respeitar o conceito original das gravações antigas, inclusive o mapa original, com solos instrumentais internos em cada uma delas.

Só que com músicos atuais e uma concepção musical mais moderna.

Abaixo as canções selecionadas por ordem de gravação original:

• Gosto mais do outro lado (Assis Valente) – 1934

• Não resta a menor dúvida (Hervé Cordovil / Noel Rosa) – 1935

• Honrando um nome de mulher (Gadé e Valfrido Silva)- 1936

• Menina das Lojas (Lamartine Babo) – 1937

• P.R.Você (Cristovão de Alencar e Hervé Cordovil) – 1937

• Você não tem razão (Pedro Caetano) – 1937

• Meu amor não me deixou (Ary Barroso) – 1938

• Fale mal.. mas fale de mim (Ataulfo Alves / Marino Pinto) – 1939

• Juro… Juro (Paulo Pinheiro / Valdemar Silva) – 1939

• Pão com banana (Cícero Nunes / Portelo Júnior) – 1939

• Vida apertada (Ciro de Sousa) – 1940

• Furacão (Antônio Nássara / Haroldo Lobo) – 1940

• Sopa de concha (Alcyr Pires Vermelho / Pedro Caetano) – 1941

• Não tenho juízo (Haroldo Lobo e Wilson Batista) – 1944

• Pão duro (Assis Valente / Luiz Gonzaga) – 1946

Antecedentes

Em 1979, junto com o primeiro álbum chamado “Rumo”, o Grupo Rumo lançou um disco intitulado “Rumo aos Antigos” que trazia composições pouco conhecidas de Noel Rosa, Lamartine Babo e Sinhô.

Essa era uma vertente constante do grupo, que sempre pesquisou e interpretou as canções e as raízes da musica brasileira.

O disco foi um sucesso e trouxe ao conhecimento do público uma série de músicas quase desconhecidas para a geração dos 80 e 90. Em shows ao vivo, o Rumo viajou por algumas cidades do país divulgando e inspirando novos compositores que passaram a respeitar e buscar o incrível repertório dos antigos.

Passados 30 anos do “Rumo aos Antigos” original, surge o novo projeto musical, “Sopa de Concha”, dessa feita comandado por um dos participantes do Rumo, o Geraldo Leite.

Histórico do Grupo RUMO

O Rumo surgiu em 1974, lançou 6 discos e uma coletânea. Terminou “oficialmente” em 2004, 30 anos após, ao lançar toda a obra em CDs e gravar um DVD comemorativo, como previa uma das canções (“Release”).

Surgiu na época do Teatro Lira Paulistana, em São Paulo, quando afloravam as esperanças de uma nova ordem com os selos independentes. Fez muitos shows em S. Paulo, alguns no Rio, em outras capitais do país e no interior paulista.

A primeira produção do Rumo em estúdio, em 1979, gerou dois discos: Rumo, com canções próprias e Rumo aos Antigos, com canções de Noel Rosa, Lamartine Babo e Sinhô, em novos arranjos.

Depois surgiram Diletantismo, Caprichoso, Quero Passear e Rumo ao Vivo. Houve também uma coletânea pela Gravadora Eldorado (O Sumo do Rumo).

O Rumo abriu a carreira solo para Ná Ozzetti, Luiz Tatit, Hélio Ziskind e Paulo Tatit, com o Selo Palavra Cantada. Gerou também duas Escolas de Música: Dommus (Pedro Mourão e Akira Ueno) e Espaço Musical (Ricardo Breim).

Estão envolvidos neste projeto da “Sopa de concha”, o Instituto Moreira Salles e a Biscoito Fino.

postado por admin em 12 de fevereiro de 2010, 10:45   |   0 comentários