Ficou marcado – Sing com a gente – cap. 9

A ideia da Singular surgiu, em parte, quando caiu a ficha de que a diversidade de coisas que eu fazia, ou de áreas em que eu atuava, não eram incompatíveis; ao contrário, era o que me distinguia. Até então, eu havia atuado, muitas vezes de forma concomitante, em agencias, em rádios, em música, em jornais, em planejamento, em TV,… e isso, no fundo, é o que me dava uma perspectiva mais ampla de entender e lidar com a comunicação.

O Daniel Flamberg, excelente profissional, amigo e compadre americano, hoje diretor da Publicis Kaplan Thaler em Nova Iorque, me ajudou a enxergar esse diferencial e construiu a nossa primeira proposta de posicionamento, misturando meu lado executivo, com essa porção mais emocional e cultural, vinda do Rádio e da experiência com o Rumo no palco.

Outra contribuição primordial veio do artista gráfico Hélio de Almeida, meu cunhado, mano, que ajudou a criar uma personalidade visual para a Singular desde o início. Ele fez os primeiros e o logo atual, todos os super criativos cartões de Natal (que sempre terminam com “E um beijo nas crianças!”); enfim, uma série de Jobs e projetos que tocamos nos nossos 17 anos.

São do Hélio os logos anuais do PMV (Painel de Marketing de Veículos), as ações todas que fizemos para a ANJ (como os logos dos “Banhos de Jornais”, do “Núcleo de Mercado” e do “Quero Comprar” da Marplan), as primeiras edições do Mídia Fatos da TV por Assinatura, o livro do conto “Singular Coincidência” do Machado de Assis, o PMV Destinos e agora, é claro, a campanha para o Caboré.

Falando agora parece fácil. Mas para chegar aonde chegamos foi fundamental contar com bons amigos e parceiros. Só resta mais um capítulo final para falar da Singular. Fique ligado.

postado por admin em 2 de dezembro de 2013, 19:01   |   0 comentários