A virtude está no meio

Sou fascinado pelo nosso processo da comunicação.

Nós já éramos ricos pela variedade, visões, opiniões, tamanhos, sotaques, misturas, maneiras com que criamos e aproveitamos também o que de bom se faz no exterior,… e, de um tempo para cá, começamos a ser ricos também no mundo digital.

Se o pessoal lá de fora tem mais poder aquisitivo, mais escola, mais formação; enfim, mais recursos, nós temos mais paixão, mais envolvimento, mais vontade de se sintonizar, experimentar e aproveitar as vantagens do mundo moderno.

E tome rede social, tome tempo de conexão, tome skype, tome youtube, tome sms, tome contato, tome abraço, tome olho no olho e por aí vai.

Porque o que acontece aqui não é necessariamente deixar de fazer o que se fazia. Somos múltiplos, diferentes, integrados, variados e com toda essa extensão territorial e com esse nosso jeitão de ser, não precisamos escolher um só.

Nós somos on & off, analógicos & digitais, surfando em uma realidade que mistura e espalha as possibilidades.

A riqueza que hoje aparece na mídia é poder enxergar as muitas plataformas e tirar o melhor delas.

Saber qual mistura dá bom caldo, como falar com os integrados e com os desconfiados.
Quando se analisa sem preconceito tudo é mais claro, mais sincero e menos parcial.
O que me incomoda são os catastrofistas, os “teoristas” da comunicação, pois que acham que todo o mundo é um Fla X Flu, onde tudo é preto ou é branco.

Nós somos, à la João, mulatinhos, “mistura de raça, mistura de cor”.

Falamos de meios, falamos de mídias, falamos de médias, de “medias” para os gringos, e nossa mídia nunca esteve tão rica, tão variada, tão instigante, ótima pra quem gosta de surfar e até mesmo perigosa, pra quem enxerga enviezado.

(*)Geraldo leite é Sócio-diretor da Singular Arquitetura de Mídia

 

Matéria publicada no blog do Meio&Mensagem,

na sessão Digital, na coluna Ponto de vista, dia 20 de julho de 2011,

por Geraldo Leite

postado por admin em 30 de julho de 2011, 19:50   |   0 comentários

Cultura e Infância

MinC realiza encontro, no Rio de Janeiro, para discutir políticas públicas para as crianças

A Secretaria de Cidadania Cultural do Ministério da Cultura (SCC/MinC) realizou de 12 a 15de Julho, no Teatro do Jockey, na cidade do Rio de Janeiro, o 1º Encontro Nacional Culturae Infância. O evento reuniu especialistas na área com o objetivo de dar início às discussõespúblicas para a criação de uma política nacional de Cultura à infância.

A secretária de Cidadania Cultural, Marta Porto, na cerimônia de abertura do evento, disse que a previsão do ministério é ter um desenho de política cultural para a infância até meadosdo mês de outubro, quando a política será lançada em parceria com Fundo das Nações Unidaspara a Infância (Unicef).

O encontro no Rio de Janeiro foi realizado em parceria com o IX Festival Internacional de Intercâmbios de Linguagem (FIL), ação cultural promovida pela curadora Karen Accioly, quedesenvolve um ampla programação artística para crianças.

Para os debates do evento foram chamados profissionais experientes no trabalho com a infância, tais como o Wellington Nogueira, fundador e coordenador-geral do grupo Doutoresda Alegria, Beth Carmona, da Singular, Arquitetura de Mídia, representando o selo ComKids e  Ilo Krugli, experiente diretor de teatro para crianças e fundador do grupo de Artes Cênicas Vento Forte; o escritor e cartunista Ziraldo, o também cartunista Claudius Ceccon do Cecip; Luisa Lins da Mostra de Cinema Infantil de Florianopolis, entre outros nomes da música, artes plásticas e museus destinados ao público infantil.

Veja a programação e outros detalhes no site do Ministério da Cultura.

 

postado por admin em 18 de julho de 2011, 23:09   |   0 comentários